Em meados do ano 1955 o Revmo. Frei Guido Casali, Provincial dos Revmos. P.P. Dominicanos da Lombardia, foi a Uberaba, com o fim de solicitar de nossa Revma. Madre Geral, Madre Maria Inês de Jesus, então em visita às nossas Casas do Brasil, a fundação de um Colégio em Curitiba, Estado do Paraná.

Dois religiosos desta Província já se achavam nesta cidade, sendo o Revmo. Padre Claudio Cocolini Pº vigário, no Bairro Boa Vista, local onde o futuro Colégio se instalaria. 

O pedido do Revmo. Padre Provincial foi acolhido com interesse e, no dia 22 de outubro deste mesmo ano, nossa Madre Geral e Madre Maria do Divino Coração, que acabava de receber o cargo de Superiora Regional, se dirigiam à Curitiba. Tomaram conhecimento com o Revmo. Foi Frei Claudio quem lhes mostrou o local do terreno de 9.600 m2 que a Prefeitura estava pronta para doar para o Colégio.

Nesta primeira visita a Curitiba não foi possível estar com D.D. Arcebispo D. Manuel da Silveira D’Elboux, por estar sua Excia. em viagem, o mesmo acontecendo com o Exmo. Sr. Prefeito Municipal, Major Ney Braga.

O primeiro contato com Curitiba, a “cidade sorriso” ou dos “muitos pinheiros”, foi abençoada, pois, hoje, o Colégio é uma realidade e recebeu o nome de “Instituto Nossa Senhora do Rosário de Curitiba”.

Em 9 de abril de 1956, Madre Maria do Divino Coração aqui voltou e agora com Madre Maria Nelly que era a designada para fundar esta nova Casa.

Tanto o Sr. Arcebispo como o Sr. Prefeito se mostraram desejosos de ver realizada essa nova casa de formação da juventude num bairro onde não há colégio e onde a população consta, na maioria, de operários e militares.

A promessa da doação foi confirmada, mas o terreno não ainda bem localizado, era preciso esperar algum tempo, e a Divina Providência assim permitiu, pois, nossa Madre Kelly, já doente, foi piorando e, no dia 24 de maio de 1957, deixava esse mundo numa morte verdadeiramente edificante. Como disse acima, era ela a designada para essa fundação que, de início, se viu marcada pela Cruz, “toda Cruz é prenuncio de benção.” Madre Kelly deve zelar por essa nova fundação.

São Domingos

Somente em 25 de março de 1957 regressamos novamente em Curitiba, desta vez aqui estiveram Madre Maria do Divino Coração e Madre Maria Bernadete da Imaculada, Priora de nossa Casa de S. Paulo e Conselheira Regional. O terreno já estava localizado, pudemos vê-lo “in loco” juntamente com o engenheiro da Prefeitura que nos mostrou as divisas. Achamos ótima a situação da área que com 80 metros de frente por 20 metros de fundo.

Organizamos a personalidade jurídica do “Instituto Nossa Senhora do Rosário”, cujos Estatutos foram publicados no Diário Oficial de Curitiba, em 30 de março de 1957.

Uma parte da planta do futuro Colégio foi feita pelo engenheiro Cr. Pedro Assis Miranda e aprovada na Prefeitura. Tomamos contato com a população do bairro Boa Vista indo, a convite do Vigário, assistir a Santa Missa na Igreja paroquial, sendo aí apresentadas como Irmãs Dominicanas que somos e futuras professoras das crianças deste mesmo bairro. Como aqui é difícil encontrar casas desocupadas, aproveitamos que uma delas estava livre e alugamos com 3 meses de antecedência, apesar de ficar desabitada nesse espaço de tempo.

Estivemos com o Sr. Prefeito Major Ney e o Presidente da Câmara Dr. Sebastião d’Arcanchy, bem como o vereador Dr. Elias Karan, que nos afirmaram que o terreno seria nosso, mas que era necessário que o processo da doação fosse votado pela Câmara. Todo esse trabalho é demorado. Paciência! As grandes árvores precisam ter raízes profundas e seu desenvolvimento é lento e perseverante. Assim mesmo, resolvemos nos instalar aqui em julho, a fim de estarmos alertas à Câmara e à Prefeitura no movimento do processo de doação do terreno, bem como começar a receber os primeiros alunos para o 1º e 2º anos primários.

Nos primeiros dias de julho, de 2 a 11, teríamos em Araxá o retiro das Superioras de nossas Casas, bem como a esperada e tão desejada visita de nossa caríssima Madre Geral às nossas Comunidades do Brasil. Prevendo isso, Madre Maria do Divino Coração veio à Curitiba com a dedicada Irmã Carmelita Maria que, com a aprovação de nossa Madre Geral, viria em Curitiba com a boa e incansável Irmã Maria Mercedes, dar início à nova fundação.

Aqui chegaram no dia 21 de Junho e Irmã Carmelita Maria pode conhecer Curitiba e as pessoas que já estavam em movimento na questão do terreno e da construção.

Providenciaram a compra das carteirinhas, móveis, etc. Visitaram algumas comunidades religiosas, sendo que as boas Irmãs de Jesus Crucificado e as de Sion se mostraram muito boas e prontas a auxiliar em várias coisas, auxílio esse bem precioso no início de uma fundação. O Sr. Arcebispo se mostrou contente e desejoso que viéssemos logo dar inicio à obra.

Nossas Madres e Irmãs têm se mostrado interessadas pela nova fundação e, como uma recém-nascida, a tem cumulada de suas ofertas.

O Colégio Nossa Senhora das Dôres de Uberaba e o de São Paulo vão auxiliar generosamente na construção do novo Colégio e já entregaram uma parte da importância para esse fim. Nossa boa Madre Geral trouxe da França para a recente fundação um Missal Dominicano e um grupo do Rosário de Seiraz, mas, mais valiosas são suas bênçãos e seu interesse. Pessoas amigas têm se mostrado generosas em suas ofertas, mormente no que se refere à futura Capelinha.

Dia 18 de julho de 1957, de manhã, no Rio de Janeiro, a Irmã Maria Mercêdes tomava o avião militar da F.ªB. e, em São Paulo se unia à Irmã Carmelita para seguirem, neste mesmo dia de avião, para Curitiba. Sempre atenciosa, a tripulação militar permitiu o transporte dos 16 volumes, num peso de 150 quilos.

Aqui chegaram ao meio-dia e meia, indo se hospedar no Pensionato Nossa Senhora de Lourdes, dirigido pelas Irmãs de Jesus Crucificado. Lá ficaram dois dias, tempo necessário para fazer várias compras e arranjar a casinha de madeira, berço do Instituto Nossa Senhora do Rosário, situado à Avenida João Gualberto nº 4016, casa 3, de propriedade de 2º Sargento Attilio G. Benvenutti e de sua esposa Senhora Dª Jandira que se tem mostrado verdadeiros benfeitores da nova fundação, cumulando de atenções as duas novas fundadoras. Sua filhinha Rosely, foi a primeira aluna matriculada no 2º ano Primário.

 

As Irmãs se instalaram no dia 20 de julho e, no dia 25, o Revmo. Frei Claudio veio visitá-las e benzeu a nova casa. Com ele combinou-se também que as Irmãs se encarregariam do catecismo paroquial aos sábados, das 4h às 5h da tarde para as crianças que se preparam para a 1ª Comunhão e aos domingos, após a Missa das 9h, para todas as crianças que já são em número de 60.

No mesmo dia, 2 de julho, antes de virem tomar posse da humilde casa que seria um caríssimo convento, as duas fundadoras foram pedir a benção do Snr. Arcebispo que as abençoou satisfeito de saber que uma parte do seu rebanho seria assistido por este novo Colégio. No dia 29 do mesmo mês, a visita foi muito honrosa e inesperada. O Snr. Arcebispo, D. Manuel e seu Bispo Auxiliar D. Mazzarotto vieram pessoalmente visitar nossas Irmãs e abençoar a nova obra. Ficaram satisfeitos em ver a simplicidade e a pobreza que alicerçam o novo Instituto Nossa Senhora do Rosário, dizendo que as famílias do bairro se sentirão encorajadas em ver como as Religiosas se identificam com elas, no modo humilde de viver.

Dia 1º de agosto, as Irmãs começaram a dar aulas, comparecendo 15 alunos no 1º ano Primário e 4 no 2º ano, a sementinha começava a germinar.

No dia 4 de agosto, festa de nosso Pai Fundador São Domingos, os alunos, já uniformizados, assistiram, comovidos, à Santa Missa, na Igreja paroquial. Após a Santa Missa, como era domingo, foi dada a aula de catecismo. Delicadamente, neste mesmo dia de São Domingos duas Irmãs de Sion vieram nos visitar trazendo-nos um belo e gostoso bolo de boas-festas.

Dia 15, festa da Assunção de Nossa Senhora, tivemos a primeira visita de nossa caríssima Madre Maria do Divino Coração. Fomos esperá-la no aeroporto “Afonso Pena” que dista a 27 quilômetros daqui, levando 5 alunos uniformizados, representando o Colégio recém- fundado. Nossa Madre veio num avião da F.A.B. e nos trouxe, entre outras coisas úteis, uma linda estátua de Nossa Senhora das Graças, diante da qual fazemos nossas orações, pois não temos ainda a felicidade de ter conosco Nosso Senhor Sacramentado.